Como a AIESEC pode ajudar a carreira de um profissional?

A AIESEC é reconhecida pela UNESCO como a maior organização gerida por jovens do mundo e está presente em mais de 124 países e territórios. Seus programas facilitam o desenvolvimento de competências pessoais e profissionais de alto valor. Essas habilidades ajudam a carreira de um profissional por estarem diretamente conectadas com as demandas do mercado.

Confira abaixo as principais competências desenvolvidas pela AIESEC e a relevância de cada uma!

1. Liderança com qualidades desenvolvidas pela AIESEC

Líderes são pessoas altamente valorizadas no mercado de trabalho, principalmente por estarem sempre buscando crescer e pela capacidade de influenciar as pessoas ao seu redor. São os mais indicados para assumir cargos de gerencia e representam grande crescimento para a empresa.

Todos os programas da AIESEC visam o desenvolvimento de liderança e fazem isso de forma prática e direcionada. Isso porque a organização dispõe de um modelo de desenvolvimento de liderança baseado em quatro qualidades pré-definidas:

Self-Aware

Ao promover a compreensão dos valores pessoais e explorar as paixões dos indivíduos, essa qualidade possibilita que eles projetem com maior facilidade onde querem chegar. Consequentemente, esses profissionais serão mais assertivos no planejamento e execução de um plano de carreira.

Além disso, o autoconhecimento favorece a identificação com a cultura organizacional, o que resulta em maior engajamento.

Empowering Others

Ao desenvolver essa qualidade de liderança, o profissional se destacará principalmente em três aspectos: comunicação efetiva com a equipe de trabalho, capacidade de aprimorar e empoderar outras pessoas e se engajar com os outros a fim de atingir grandes propósitos.

Na prática corporativa, esses aspectos favorecem o trabalho em equipe, a capacidade de gerir funcionários e o trabalho com metas.

Solution Oriented

Ser orientado à solução é se adaptar e mostrar resiliência frente aos desafios, transmitir positividade e tomar riscos quando necessário.

A resiliência é um dos fatores mais importantes para o sucesso profissional e, em resumo, diz respeito à capacidade de superar adversidades e se fortalecer a partir dessa superação.

Ao transmitir positividade, um profissional motiva sua equipe, dando subsídios para que ela seja tão resiliente quanto ele.

Por fim, tomar riscos quando necessário pode ser o diferencial para que uma empresa atinja o sucesso e se destaque em relação à concorrência. A AIESEC desenvolve profissionais que sabem analisar os cenários para tomar decisões arriscadas de forma embasada.

World Citizen

Ser um cidadão do mundo é se sentir responsável pela melhora da sociedade, se interessar por problemas globais e acreditar na capacidade de fazer a diferença.

Ao desenvolver essa qualidade, um profissional se torna apto a promover um espaço organizacional que se preocupe com o desenvolvimento sustentável, promovendo o desenvolvimento empresarial e, consequentemente, de sua própria carreira.

Além disso, ao desenvolver essa qualidade, o profissional estará sempre buscando melhorar através de aprendizados contínuos. Isso porque compreende que o mundo está em constante transformação, o que exige que ele próprio se transforme.

2. Saber conviver com a diversidade

A diversidade tem se tornado uma das maiores demandas do mercado atual. Ao diversificar seus funcionários, uma empresa também encontra maior facilidade para identificar as necessidades dos clientes. Além disso, trabalhar com diferenças aumenta o potencial criativo da organização.

Todos os programas oferecidos pela AIESEC garantem a exploração de ambientes diversificados culturalmente e, inclusive, o contato com pessoas de outros países. Essas experiências viabilizam a adaptabilidade a perfis e situações diferenciadas, o que garante o desenvolvimento dessa competência.

O trabalho com experiência exterior, seja voluntária ou profissional, potencializa o currículo e as habilidades sociais, tornando o profissional apto a interagir positivamente.

Sendo assim, o contato com a AIESEC ensina o reconhecimento das diferenças e particularidades advindas tanto de aspectos da personalidade quanto culturais e, mais do que isso, auxilia em como trabalhar com essas particularidades em prol de um objetivo comum. Esses conhecimentos favorecem a vivência no ambiente empresarial e contribui até para o atingimento de metas.

3. Investir em networking promissor

Uma boa rede de contatos inclui pessoas com potencial de contribuir para o crescimento pessoal e profissional. No âmbito empresarial, são contatos que podem se tornar fornecedores, parceiros de negócios ou funcionários, ampliando ao máximo as oportunidades de um investimento.

A AIESEC providencia um networking promissor ao colocar o profissional em contato com pessoas de países diferentes, organizações sem fins lucrativos e empresas privadas. Trata-se da possibilidade de conexões com realidades similares e distintas, aumentando a qualidade das relações e da rede de contato como um todo.

4. Harmonização com a cultura organizacional

A cultura organizacional pode ser brevemente descrita como o conjunto de rituais, hábitos, crenças, valores e atitudes de uma empresa. Sua aplicação e aceitação está diretamente relacionada com o clima organizacional, a satisfação e a produtividade dos funcionários.

Todos os programas da AIESEC são regidos por valores e normas específicos, colocando os indivíduos em contato com a cultura da organização e ensinando-os a relacionar seus valores pessoais com os organizacionais. Dessa forma, o profissional que teve contato com a AIESEC aprendeu como se harmonizar e integrar com uma cultura organizacional e, consequentemente, estará mais apto para fazer isso em outras organizações.

Outra consequência desse fator é o aumento da probabilidade de construção de um plano de carreira que vise o crescimento em uma única organização. Isso porque o profissional será capaz de vincular seu desenvolvimento ao da empresa.

5. Conhecimento prático

Muitos cursos oferecem experiências teóricas excelentes, mas que falham no quesito pratico. O resultado disso é que muitos profissionais ingressam no mercado de trabalho sem uma experiência pratica que articule seus aprendizados.

Todos os programas da AIESEC são experiências praticas que possibilitam essa articulação. O profissional estará num ambiente que propicia seu desenvolvimento a partir de vivências reais e desafiadoras, preparando-o para o mercado de trabalho e para a construção de uma carreira sólida.

Para o desenvolvimento dessas e de outras competências que ajudam na carreira de um profissional, a AIESEC oferece três possibilidades: intercâmbio profissional, intercâmbio social e trabalho voluntário. Todas são vivenciadas em um ambiente global de suporte e aprendizado.

Gostou e quer saber maiores informações? Entre em contato com a AIESEC!

5 filmes sobre voluntariado e estagiário que você precisa assistir

A vida imita a arte, ou a arte imita a vida? Os filmes, tanto na tela do cinema quanto na televisão em casa, podem retratar as mais diversas situações do cotidiano das pessoas e inspirar atitudes de generosidade, determinação, liderança e altruísmo de forma natural e espontânea.

Que tal se divertir e se emocionar com histórias reais e fictícias que se tornaram verdadeiras obras primas do cinema? Confira nossas sugestões de filmes que valem o play:

Filmes sobre voluntariado

Doar o próprio tempo para ajudar outras pessoas sem esperar remuneração ou reconhecimento é, sem dúvidas, uma grande inspiração para os escritores, roteiristas e diretores, e rende bons filmes sobre voluntariado:

1. Redenção

Baseado em fatos reais, o longa-metragem retrata a história de Sam Childers, que se tornou pastor da igreja pentecostal e se dedicou ao trabalho voluntário na África após sair da prisão e largar o vício em drogas.

O que começou como uma ação para reconstruir casas em Uganda aos poucos toma dimensões políticas, e Sam se vê dividido entre sua família, sua fé e sua luta em busca de apoio para ajudar crianças desabrigadas e resistir contra os rebeldes no poder.

Imagens reais e chocantes dos conflitos pontuam o filme e levam o público a uma reflexão sobre as consequências de uma guerra civil.

2. Histórias Cruzadas

Emma é uma aspirante a escritora que retorna a Jackson, no Mississipi, para entrevistar as mulheres negras da cidade que abdicaram de suas vidas para criar os filhos da elite branca.

O drama retrata a discriminação sofrida pelas domésticas negras, consideradas inferiores e ignorantes pelas patroas e desrespeitadas diariamente, apesar de trabalharem muito para manter as casas limpas e as crianças bem-cuidadas.

A escritora usa seu trabalho para divulgar as injustiças sofridas por essas mulheres, reunindo histórias comoventes em seu livro.

3. Um Dia Perfeito

A trama do filme envolve um acontecimento tenso ocorrido na região dos Balcãs: a população de uma pequena cidade fica privada de água após a descoberta de um cadáver dentro do poço artesiano.

Um grupo de trabalhadores humanitários de diversos países se mobiliza em busca de uma solução, apesar das orientações contrárias dos militares.

Muitas das situações retratadas no filme foram criadas a partir de entrevistas feitas pelo diretor com trabalhadores das zonas de guerra na África e no Leste Europeu.

Filmes sobre estágio

Obter experiência profissional colocando em prática seus conhecimentos e competências em busca de uma colocação permanente: o estágio costuma ser o primeiro contato do jovem com o mercado de trabalho.

Mas nem sempre é assim, como podemos ver nestes filmes:

4. Os Estagiários

Dois vendedores quarentões tentando driblar o desemprego se candidatam a uma vaga de estagiário na empresa Google Inc.

Apesar de não terem praticamente nenhum conhecimento em tecnologia, eles enfrentam o preconceito e as dificuldades e saem da zona de conforto em busca de seus objetivos, dando aos mais novos uma verdadeira aula sobre trabalho em equipe, capacidade de adaptação e a importância de estar aberto para aprender sempre.

5. Um Senhor Estagiário

Este é outro filme que aborda as dificuldades da vida de um profissional experiente, no alto de seus 70 anos, que aceita um estágio em uma startup de venda de roupas pela internet.

A trama aborda o receio da fundadora da empresa em contratar um funcionário de mais idade e o choque de gerações no mundo corporativo. O filme é repleto de lições de vida e reflexões interessantes sobre o mundo tecnológico e a carreira nos dias atuais.

Assistir filmes sobre voluntariado, estágio e outros temas importantes para a vida pessoal e profissional é uma ótima maneira de aproveitar o tempo livre para se divertir e aprender ao mesmo tempo. Não faltam opções para nos entreter e ensinar, seja no escurinho do cinema ou no conforto da nossa própria sala.

E você, qual desses filmes vai entrar na sua programação, acompanhado de um belo balde de pipoca? Conte para a gente nos comentários!

Conheça as vantagens e desafios de ser líder jovem

São inúmeros os exemplos percebidos, em todas as mídias, de pessoas com idade reduzida comandando empreendimentos. Além da faixa etária, outros pontos que chamam bastante atenção são: o nível de influência, as responsabilidades e o tamanho das instituições dirigidas pelos jovens.

Diante desse cenário, existem críticos e entusiastas que discutem vantagens e desafios de ser líder jovem. Sobre o assunto, trouxemos algumas informações para que você possa refletir e tirar suas próprias conclusões. Acompanhe!

A geração Y está pronta para a liderança?

Essa pergunta pode ter ser interpretada de mais de uma forma, assim como tem mais de uma resposta plausível. Se considerarmos que uma pessoa, para ser um bom líder, precisa ter todas as qualificações e competências necessárias plenamente atendidas, então teríamos muito menos gestores do que vemos hoje.

Independentemente de idade, histórico e vocação, todo profissional em posição de liderança precisa de algum tipo de “polimento”, que acontece naturalmente em seu processo de ascensão.

É importante frisar que não se trata, necessariamente, de um chefe. A figura do líder está muito mais voltada para a capacidade de influenciar e guiar outras pessoas do que de conquistar um cargo.

Sendo assim, para determinar se alguém está preparado para o posto, é necessário investigar se tal pessoa consegue reunir as qualificações exigidas.

No caso da geração Y, essas qualidades buscadas normalmente são encontradas, mas existem algumas lacunas que podem exigir energia e tempo para serem aprimoradas. O fato é que, de maneira precoce ou não, os jovens serão obrigados a mostrar sua capacidade de trabalho e liderança.

Assim como todas as outras, essa geração herdará toda a responsabilidade de prosseguir com o avanço e a sustentação do modelo social, das instituições e das inovações tecnológicas, científicas e culturais.

Para que essa transição ocorra de uma maneira menos desajeitada e sem solavancos, são percebidas, hoje, várias iniciativas que já mostram resultados palpáveis, de aplicação prática consistente.

coaching e os programas de liderança ou mentoring, além de outras iniciativas de gestão de pessoas, são algumas das práticas que têm como objetivo principal preparar ou ajudar a lapidar o que é necessário para os jovens conseguirem atingir um nível satisfatório enquanto líderes.

Nesse processo, algumas características mais marcantes serão utilizadas como vantagens — e alguns desafios devem ser enfrentados.

Quais são as vantagens de um líder jovem?

A falta de experiência consegue proporcionar aos jovens duas grandes vantagens. De um lado, temos a quase inexistência de vícios.

Isso porque a rotina acaba trazendo ao profissional mais antigo uma acomodação e a utilização de métodos engessados para tratar dos assuntos. Garante-se, dessa forma, um mínimo de resultados que pode até ser satisfatório, mas não há chances reais de aprimoramento do modelo.

De outro lado, essa limitação da vivência exige que o jovem seja mais criativo para lidar com as situações que se abrem diante de seus olhos. A busca por ideias novas e aprendizado constante resulta em outro grande benefício: o acompanhamento de tendências e uma cultura de atualização perene.

Por conseguir aprender mais e em menos tempo, eles acabam se tornando polivalentes — abrem suas cabeças e conseguem enxergar bem o panorama, podendo ter uma melhor visão de futuro.

Desvantagens

Se a falta de prática motiva o jovem a buscar por novos conhecimentos, ela também evidencia alguns pontos a serem trabalhados.

A maturidade e a experiência não são proporcionais ao tempo de vida de uma pessoa. Trata-se de questões muito mais ligadas à vivência experimentada nos momentos pelos quais ela passou e como conseguiu assimilar o conhecimento proporcionado.

Sendo assim, como tiveram menos chances de se relacionar com as pessoas do que as gerações mais velhas (algo que será revertido rapidamente diante dos inúmeros canais de comunicação à disposição), os jovens têm a tendência de não agirem com muita maturidade nesse tipo de situação.

Esse ponto fraco pode atrapalhar muito a imagem da liderança, pois olhares desconfiados da sua capacidade fatalmente surgirão. Afinal, como pode uma pessoa ser líder sem saber lidar com gente?

A falta de preparo e a impulsividade também aparecerão como questões a serem trabalhadas nas lideranças mais jovens.

De toda forma, esses aspectos, se percebidos como reais carências, evoluirão à medida que o líder perceber suas fraquezas ou tiver um acompanhamento para ajudá-lo a trabalhá-las.

Quais desafios devem ser vencidos?

Levantadas as qualidades que impulsionam os novos líderes e anotados os pontos a serem aprimorados para garantir um melhor desempenho, faz-se necessário entender quais são os desafios a serem vencidos. Eles se resumem a 4 pontos principais:

Sustentabilidade e impacto social

O primeiro ponto refere-se ao desenvolvimento sustentável e à geração de um impacto social positivo. Esse conceito vem sendo debatido desde o início da década de 90, mas sua aplicação real e sua participação na agenda da sociedade ainda estão em curso.

Contudo, não é algo que se possa mais considerar como apenas uma questão de marketing. Trata-se de uma realidade que precisa ser cuidada com responsabilidade.

Gerenciamento remoto

O segundo é a demanda de um gerenciamento feito de maneira remota. As conexões à distância ganham, a cada dia, um caráter mais operacional e devem ser cuidadas com atenção. As margens para erros se encurtaram, e o mercado ficou mais exigente e global.

Conteúdo

O penúltimo desafio é a adaptação de conteúdo. Com sistemas de comunicação multicanais e plataformas que conseguem se moldar à vida do cidadão comum com maior agilidade e menos limites, será preciso estar apto a navegar por todos os meios sem perder a competitividade.

Transparência

Por último, um macrodesafio que acaba se desdobrando em mais de um foco: a transparência. Em uma época na qual tudo fica mais fácil de ser descoberto (pessoas, informações, metodologias e novos conceitos), não é possível liderar impedindo o acesso dos outros e negligenciar a importância do endomarketing.

As prioridades estão colocadas à mesa, e o compartilhamento de informações é uma realidade sem precedentes.

Se você enxerga mais vantagens e desafios de ser líder jovem, percebe mais alguma questão importante a ser considerada, tem dúvidas ou gostaria de compartilhar uma experiência a respeito do assunto, deixe um comentário. Queremos saber qual é sua opinião!

5 líderes admirados pela geração Y

Todo ano, a AIESEC realiza um estudo que procura oferecer para vários jovens a oportunidade de opinar sobre vários temas. Propósitos de vida, objetivos globais e liderança são alguns deles. O Youthspeak Survey é realizado em todo o mundo e em 2015, só no Brasil, foram colhidas 14.000 respostas. No tópico “liderança” foram levantadas as principais características que jovens brasileiros de 16 a 30 apontam como essenciais para definir um bom líder: humildade, altruísmo, carisma, visão, ambição, empatia, determinação e dedicação.

De acordo com esses atributos, veja alguns líderes que apareceram como mais admirados pelos jovens brasileiros de acordo com as características citadas anteriormente:

1- Nelson Mandela

O líder foi um dos mais importantes presidentes da África do Sul. Além de ter sido o primeiro negro a ocupar o cargo, foi muito importante para a história, liderando o movimento contra o Apartheid, regime de segregação racial de 1948 a 1994. Posteriormente negociou a Constituição que colocou fim nessa política.

2- Mahatma Gandhi

O líder pacifista foi a principal personalidade na luta pela independência dos indianos. Cursou direito e  também lutou contra o racismo na África do Sul. Era humilde, pregava o amor aos pobres e o diálogos entre as religiões para instaurar a paz.

3- Malala Yousafzai

A líder paquistanesa é uma jovem militante dos direitos das meninas de ir à escola. Ela fez um blog falando sobre seus obstáculos para estudar e por isso levou três tiros contra sua cabeça quando estava dentro do ônibus. Malala se recuperou, se tornou porta voz da causa e aos 17 anos foi considerada a mais jovem ganhadora do Prêmio Nobel da Paz. 

4- Barack Obama

Obama foi o primeiro negro a ser presidente dos Estados Unidos da América, nação que possui muitos conservadores na política. Muito carismático, se mostrou em sua campanha preocupado com o sistema de saúde, se posicionou a favor do fim da guerra do Iraque e do desarmamento nuclear.

5- Papa Francisco

Francisco é o primeiro papa latino-americano da história. É considerando um líder carismático, humilde, que defende uma igreja com mais compaixão pelos pobres e que busca se aproximar mais da juventude.

A importância de valorizar o jovem de perfil empreendedor

O Empreendedorismo é uma prática cada vez mais valorizada pelos brasileiros, mesmo em época de crise econômica. A habilidade de propor novas soluções para o mercado vem recebendo incentivo para ser desenvolvida, principalmente entre os jovens, coisa que não acontecia com tanta frequência nas gerações anteriores. Os profissionais que estão chegando ao mercado, cada vez mais se enquadram dentro desse perfil e isso é muito vantajoso para as empresas. Quer saber por quê? Por algumas qualidades interessantes que eles possuem para ser um bom funcionário e que ajudam no crescimento de uma empresa. Confira:

Proatividade

Uma das principais características do jovem que se encaixa no perfil empreendedor é a proatividade. Quando ele se interessa por um assunto, ele é o tipo de pessoa que corre atrás de conhecimento e soluções, mesmo que não cobrem isso dele. Tal característica é bastante valorizada na hora da contratação numa empresa, pedir ajuda quando necessário, mas caminhar com suas próprias pernas durante os serviços.

Vontade de fazer

Mão na massa é algo que combina perfeitamente com empreendedorismo, afinal, não dá para abrir negócios e fazer novas propostas para o mercado sem muita dedicação e esforço. Jovens que já possuíram contato com iniciativas empreendedoras, seja através de projetos em ONGs ou na faculdade, geralmente desenvolvem bem o “querer fazer” e o espírito de liderança. A capacidade de dirigir e delegar tarefas é bastante comum do perfil empreendedor. Um bom líder tende a trabalhar bem em equipe e focar em iniciativas que beneficiem os negócios e as pessoas.

Inovação

O jovem, atualmente, possui muitas ferramentas para se informar e desenvolver sua criatividade. Isso é aproveitado na hora que ele pensa em abrir seu próprio negócio. Enquanto não possui investimento para isso, costuma colocar em todas suas experiências profissionais os princípios de fazer diferente e encontrar saídas diferentes para as questões que precisam resolver.

Deseja jovens empreendedores em sua empresa? Conheça um pouco mais o programa Talentos Globais da AIESEC e se torne parceiro!

3 erros que bons líderes não devem cometer

Ter um perfil de liderança é algo que vem sendo bastante valorizado pelas empresas na hora de escolher seus funcionários. Mesmo que você ainda seja um “subordinado”, é importante buscar exercer hábitos praticados por um líder pois, muitas vezes, existem situações de trabalho em equipe que é preciso ter alguém para delegar tarefas. Quer desenvolver características de liderança? Veja alguns erros que bons líderes não devem cometer:

Querer fazer tudo sozinho

Conhecer bem e ter confiança no time que você trabalha é essencial. Assim, será possível distribuir as tarefas de uma forma que não sobrecarregue ninguém. Além disso, se você tiver um conhecimento amplo sobre alguma coisa, é interessante compartilhar com o restante da equipe. As pessoas podem realizar o trabalho e você supervisionar, tirar dúvidas. Guardar um conhecimento apenas para você e não se preocupar com o aprendizado do outro é egoísta e péssimo para a imagem de um líder.

Falar uma coisa e fazer outra

Como já foi citado no item anterior, confiança é essencial na hora de construir coisas em grupo. Logo, é importante para um líder ser uma pessoa de palavra. Se propôs a fazer algo? Então faça. Falar uma coisa e fazer outra é uma armadilha para figuras de liderança, já que assim ela perde toda a autoridade para cobrar bons resultados. O líder é o espelho e inspira os demais. Não atrapalhe o andamento de todo um grupo!

Enxergar as pessoas da equipe como inferiores

Sim, existe uma hierarquia dentro de qualquer lugar mas, respeitar as pessoas que trabalham com você independente do cargo é essencial. Tenha tempo para observar seu time e se disponibilizar ajuda a aumentar o conhecimento do colega. Rotular as pessoas é péssimo. Procure entender os pontos fracos e fortes de cada membro do grupo e se dedicar a ensinar quem tiver precisando de uma mão.

Saber, não só liderar, mas também fazer parte de um trabalho em equipe é essencial para qualquer bom profissional. Quer saber mais sobre liderança? Clique AQUI.

Qual é a importância do Marketing Pessoal?

O Marketing é um conjunto de estratégias que visa atender as necessidades dos clientes de uma empresa e fortalecer sua imagem no mercado, certo? Já pensou que é possível criar alguns caminhos para fazer isso com sua própria imagem, como se fosse um negócio? É assim que funciona o Marketing Pessoal. Se você deseja ser referência no seu segmento, ele é essencial e deve ser trabalhado o tempo todo.

Vamos começar pensando em redes sociais. Não que você vá fazer todas elas de perfis profissionais, mas é interessante levar em consideração que funcionários, parceiros e possíveis clientes podem ter acesso ao que é compartilhado. Então, é possível aproveitar essa oportunidade para compartilhar conteúdos interessantes e reforçar sua autoridade no seu segmento. Esse é um modo de fortalecer a marca “você”. Porém, é preciso também ter cuidado com tudo que é falado, seguindo essa mesma lógica do público que você tem na internet.

Para além do online, é importante que você cuide da sua aparência, tanto física quanto no modo de se comportar. Vai do modo como você se veste até como compartilha seu conhecimento e valoriza o do outro. É necessário lembrar de cuidar da sua imagem mas sem fingir algo que você não é.

O autoconhecimento é uma ferramenta chave para um bom Marketing Pessoal. Sabendo suas habilidades, defeitos e qualidades fica mais fácil de destacar os pontos positivos e mostrá-los na sua vida profissional. Você escreve bem? Que tal produzir artigos e publicar em blogs? Tem uma didática muito boa? Que tal fazer um vídeo discutindo sobre um assunto? Aproveite suas habilidades!

Resumindo, para construir uma estratégia de Marketing Pessoal, você levará em consideração elementos parecidos com os do Marketing tradicional: o público, o produto e os objetivos. Vamos recapitular o que fazer, então?

1- Tenha cuidado com as redes sociais, observe o que é bom e o que não é ideal postar

2- Invista no visual e preste atenção no seu comportamento perante as pessoas

3- Compartilhe seu conhecimento

4- Observe seus pontos fracos e fortes

Procure estar atento a essa dicas, construa um Marketing Pessoal eficiente e aumente sua visibilidade como profissional.

Jovem brasileiro: As 5 empresas favoritas para se trabalhar

Já estivemos falando aqui no blog sobre o que o jovem busca nas empresas. Em 2016, baseando-se em critérios como: desenvolvimento profissional, carreira internacional, fazer o que gosta, ter desafios e boa imagem no mercado, a Cia de Talentos e a NextView People realizaram a quarta edição da pesquisa em parceria com diversas instituições, sobre as empresas que os jovens brasileiros mais gostariam de trabalhar. O levantamento de dados teve a participação de aproximadamente 64 mil jovens de todo Brasil. Além dos lugares para o jovem exercer suas funções, o estudo falou de temas como propósito de vida, aspirações para carreira e lideranças que inspiram. Confira 5 dos empreendimentos que apareceram no ranking:

Google

A empresa é referência quando se pensa em ambiente de trabalho e qualidade. Ela costuma estar nas primeiras posições de melhor empresa para se trabalhar no mundo e oferece vários benefícios diferentes para os contratados e suas famílias. Além disso, permite networking com grandes nomes da tecnologia e o nome do funcionário permanece na rede de contatos mesmo após a saída da empresa.

Petrobrás

Uma das maiores petrolíferas de capital aberto do mundo é vista pelo jovem como um mundo de possibilidades. Dentro da empresa existe uma “universidade corporativa” para treinar o funcionário sobre o funcionamento dela. Além disso, é uma companhia que investe no crescimento do jovem e oferece atividades desafiadoras. Mesmo estando envolvida em escândalos de corrupção, segundo Maíra Habimorad da Cia de Talentos, os jovens não veem esse acontecimento como uma decisão corporativa.

ONU

Trabalhar na ONU é visto como uma possibilidade de ter contato com pessoas do mundo todo. Fazer viagens constantes e sempre lidar com culturas diferentes é um dos pontos mais desafiadores e interessantes. A organização é uma novidade no ranking em relação às pesquisas anteriores.

PwC

A prestadora de serviços se destaca pelo discurso do constante aprendizado dentro da companhia. A empresa oferece plano de carreira e oportunidades de relacionamentos a longo prazo. Os desafios também auxiliam no desenvolvimento profissional.

Ambev

A grande multinacional tem um nome bastante forte no mercado para o jovem. Além disso, é vista como uma grande oportunidade de crescer profissionalmente, já que eles trabalham num sistema meritocrático. O contato com os produtos também foi um importante critério de escolha, já que foram indicados como de qualidade.

Quer conferir o restante do ranking e saber mais sobre a pesquisa? Clique AQUI

Ferramenta de liderança jovem: entrevista com Lucas Mendes

A AIESEC e o Itaú tem trabalhado juntos já há algum tempo, com ações de atração de talento jovem (através de employer branding) e com o recrutamento internacional para uma área do banco. Para falar sobre temas ligados à importância da liderança no mercado de trabalho, a AIESEC convidou um dos fundadores do Cubo coworking Itaú, plataforma de fomento ao empreendedorismo digital, Lucas Mendes, Coordenador de Produtos.

1) O que é liderança para você? Quais são suas referências, no Brasil, de liderança?

Liderança é a capacidade de fazer as pessoas escutarem e acreditarem no que o líder fala e, a partir disso agirem.  Vai muito além de um cargo ou posição e tem muito mais a ver com credibilidade, confiança e admiração.

No Brasil acho que temos bons líderes em vários setores: o Bernardinho e  Zé Roberto Guimaraes são grandes líderes nos esportes, o Roberto Setubal, o Pedro Moreira Salles, o Marcel Telles são todos grandes líderes empresarias. Fora do Brasil eu gosto muito do Sir Richard Branson e do Papa Francisco.

2) Atualmente, gerindo sua equipe, qual a importância do empoderamento?

É um tema central para deixar os colaboradores com autonomia para decidirem, gerarem resultado e se enxergarem como os responsáveis pelo resultado do time. No fundo, todo o resultado acontece por meio deles e o empoderamento deve refletir a realidade que os colaboradores são centrais no desempenho do time, tendo o gestor o papel de facilitar o trabalho deles.

3) Quais características relevantes você acredita que o jovem da Geração Y precisa desenvolver para se destacar no mercado de trabalho?

Curiosidade, iniciativa, vontade de aprender e uma certa habilidade/paciência para ler os cenários e construir relacionamentos com as pessoas chave que podem ajudar no desenvolvimento da carreira. No fundo, o que vale mais é se aproximar de pessoas que você admira para aprender com elas e se desenvolver.

4) Como você, enquanto líder, engaja sua equipe?

Tento fazer uma gestão transparente e participativa, compartilhando as decisões com o time e pedindo feedbacks constantes sobre como podemos melhorar. Aqui vale notar que engajamento também é algo que depende muito do interesse de cada um: tem gente que se motiva fácil e isso é ótimo! O ideal é se cercar de pessoas que se engajam com tudo, compartilhar informações/decisões e dar bastante autonomia. Acho que com autonomia e propósito é mais fácil de gerar engajamento e despertar o sentimento de dono.

Lucas Mendes é LL.M. (Mestre em Direito) pela Universidade da Califórnia, Berkeley. Bacharel em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais. Trabalhou no International Trade Center, órgão das Nações Unidas e OMC, no escritório Campos, Fialho, Canabrava, Borja, Andrade, Salles advogados e na assessoria da presidência do CADE.

processo seletivo para jovens talentos

AIESEC como referência de liderança jovem para seu negócio

A era da Digitalização está sendo discutida há alguns anos, definida em vários processos e, agora, podemos dizer que é definitiva. Ao encarar o cenário do Segundo Setor, não é diferente. Há a necessidade de se reinventar, adaptar-se a tendências e digitalizar-se para atingir a sua grande massa de novos talentos: os jovens que seguem assiduamente a era virtual. Para isso, a AIESEC no Brasil lança este canal de conteúdo sobre quais são as inovações e obrigações que devem ser abraçadas caso o intuito seja atrair talentos jovens com propósito e que relacionam resultado com liderança.

Hoje, para os que ingressam ao mercado de trabalho, é impossível desvincular trabalho de desenvolvimento e valores. Sendo assim, os setores de Recursos Humanos, Responsabilidade Social e Marketing devem estar bem informados sobre como trabalhar esse conceito de Employer Branding, ao passo que é sabido que quanto melhor você posiciona sua marca para o publico com fit de valores, há um aumento da retenção corporativa, de pessoas que se conectam e têm sentimento de dono pela empresa, que desperta a vontade de ir além no organograma. Esta página falará bastante de como explicitar a sua marca de forma a encontrar os talentos mais preparados.

Além disso, outros dois assuntos imprescindíveis para esse público, que se relaciona intensamente com o mundo, são: Internacionalização e Responsabilidade Social Corporativa. Ou seja, como vejo oportunidades fora do meu país e como que tenho um papel mais ativo na mudança do planeta. Por isso, uma empresa é diferencial na escolha se abraça projetos sociais ou oportunidades internacionais.

A AIESEC, maior organização mundial gerida por jovens reconhecida pela ONU e presente em cerca de 120 países e territórios, não poderia ir em contramão à necessidade de conectar-se às empresas e start ups por meio digital. A nossa missão de alcançar a paz e o preenchimento das potencialidades humanas é vivenciada em cada uma de nossas ações. Nós fazemos isso ao fornecer um ambiente desafiador para ativar a liderança jovem – liderança essa que acreditamos ser pautada em ser uma pessoa preocupada com os problemas do mundo, que tem foco em solução, procura ter auto-conhecimento e saber trabalhar em equipe. Para que esse movimento de liderança jovem aconteça, realizamos experiências interculturais, seja de voluntariado, seja de estágios internacionais.

Se você e a sua organização sentem que é hora de procurar o que move esses talentos e realmente se conectar com essa perspectiva, acompanhe nossos conteúdos sobre geração Y e Z, liderança jovem e mobilidade internacional. Uma oportunidade de negócio pode estar aqui!

processo seletivo para jovens talentos